Hoje

Aulas, aulas e mais aulas...

Posts recentes
« Vem aí Cerebrando! | Main | Direto de Brasília: Rossangela Rassy e nossas condições "indignas" »
Wednesday
Aug142013

Direto de Brasília: respostas aos questionamentos da ANPG

No áudio abaixo, minhas respostas a várias questões levantadas pelos participantes do Seminário e outras trazidas pela Luana Bonone, presidente da ANPG.

 

Suzana - respostas

EmailEmail Article to Friend

References (20)

References allow you to track sources for this article, as well as articles that were written in response to this article.

Reader Comments (2)

Cara Suzana, sou aluno de doutorado em Ciências Biológicas na University of Alberta (Canadá), mas conheço seu trabalho como pesquisadora desde minha época de graduação na UFRJ há alguns anos. Aprecio muito esta sua briga e iniciativa, mesmo já estando na posição "confortável" de professora concursada, na qual muitos passam a ser acomodados em termos de pesquisa ou lutas por direitos da área em que atuam.

Eu apoio por princípios a profissionalização, mas tenho uma dúvida de como seria o acesso ao mestrado e doutorado, etapas necessárias a quem almeja ter a possibilidade de concorrer a condição de professor universitário em instituições públicas no país. Por este modelo, apenas pessoas contratadas profissionalmente poderiam ser aceitas pelo patrão (que se tornaria orientador) para progredir em sua formação acadêmica cursando um mestrado e/ou doutorado. Porém, se houver falta de emprego no mercado, isso impossibilitaria recém-graduados de cursarem uma pós-graduação que envolva pesquisa (mestrado e doutorado) e que os capacitaria para terem um currículo melhor para disputarem empregos como cientistas contratados por um laboratório ou para concursos para professor universitário.

Isso poderia se tornar inclusive um problema a médio prazo na implementação da profissionalização. Uma vez que há muitos doutores atualmente desempregadosno mercado, estes seriam os candidatos mais prováveis a serem contratados como cientistas em laboratórios de pesquisa, ao invés do recém-graduado com muito menos experiência em pesquisa e currículo menos competitivos. Este recém-graduado, para se tornar mais competitivo no mercado de pesquisa, precisaria de uma pós-graduação com pesquisa (stricto sensu). No entanto, ele só poderia entrar numa pós-graduação deste tipo estando empregado, iniciando um ciclo vicioso. Segundo o que li de sua proposta, este seria um cenário possível de ocorrer. O que a senhora pensa sobre isso?

August 19, 2013 | Unregistered CommenterTiago Simões

Terrific way of expressing those things in your post. Clear cut meanings.

March 28, 2015 | Unregistered Commenterbadgarnituur

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.

My response is on my own website »
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
Some HTML allowed: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <code> <em> <i> <strike> <strong>