Hoje

Aulas, aulas e mais aulas...

Posts recentes
« Você quer mesmo ser cientista? | Main | A propaganda e você »
Thursday
Sep062012

Crack: independência ou morte!

O outdoor abaixo está às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo, e em vários outros lugares no Estado. Sensacional.

EmailEmail Article to Friend

References (2)

References allow you to track sources for this article, as well as articles that were written in response to this article.
  • Response
    Response: girls 20 inch bike
    A neurocientista de plantão - A neurocientista de plantão - Crack: independência ou morte!
  • Response
    A neurocientista de plantão - A neurocientista de plantão - Crack: independência ou morte!

Reader Comments (2)

Suzana,

Quando vi pela primeira vez este artigo (http://bit.ly/LXvvqO), pensei que tinha sido escrito por você.

Muito bom: http://bit.ly/LXvvqO

September 6, 2012 | Unregistered CommenterRoberto

Capitulo - AS DROGAS E OS CONFLITOS

ALAIN LABROUSSE
DIRETOR DOS OBSERVATOIRE GÉOPOLITIQUE DES DROGUES –PARIS

A droga e os serviços secretos

....... A CIA voltou a recorrer aos narcotraficantes em operações clandestinas contra a Nicarágua, realizadas particularmente pelo coronel Oliver North, depois que o congresso dos Estados Unidos suspendeu (emenda Bollan ), entre outubro de 1984 e outubro de 1986, a ajuda militar americano aos anti-sandinistas. Parte dos recursos provinha das vendas clandestinas de armas ao Irã, configurando o que a história registrou com o nome de Irangate. Os aviões que vinham dos Estados Unidos traziam armas, víveres e equipamentos para os contras da frente sul baseados na Costa Rica, e partiam em
seguida para a Colômbia. Na volta vinham carregados de cocaína fornecida pelos chefes do cartel de Medellín, Pablo Escobar e Jorge Ochoa. A droga era entregue num rancho ao norte da Costa Rica.Seu proprietário, um cidadão norte-americano, de nome John Hull, participava do apoio aos combatentes nicagaraguenses, em estreita ligação com a Cia e o Conselho Nacional (NCS). Essas ligações foram reveladas ao publico quando um avião de transporte do governo americano se espatifou perto do rancho, matando seus sete ocupantes.
Informações precisas foram fornecidas principalmente pelos pilotos que haviam participado desses tráficos e que foram presos em seguida e julgados por outros problemas de drogas nos Estados Unidos: Gerard Duran, George Morales, Gary Wayne Betzner e Michael Tolliver. Este último, em seu depoimento perante uma comissão de inquérito do Senado americano, presidida pelo Senador John Kerry, declarou que por duas vezes em 1984 transportava armas para os contras baseados na Costa Rica e que seu avião havia retornado aos Estados Unidos a cada vez com uma carga de meia tonelada de cocaína. Relatou também como, em março de 1986, transportava 15 toneladas de armas até a base aérea de Agnacate, em Honduras, destinadas aos contras. Seu DC6 havia retornado á Florida com 25 306 libras ( cerca de 11,5 toneladas) de maconha, que descarregara na base militar de Homestead. Por essa viagem recebera 75 mil dólares.
O próprio Departamento de Estado também estava comprometido diretamente no trafico, através da ajuda humanitária aos contras, que não havia sido suspensa pelo Congresso. A comissão Kerry conduziu um inquérito sobre as companhias aéreas que tinham sido contratadas: todas estavam fichadas pelo DEA por terem praticado trafico de drogas num ou noutro momento......................

Paginas 58 e 59


Capitulo - MUNDIALIZAÇÃO E CRIMILIDADE

JOSÉ LUIZ DEL ROIO
PESQUISADOR DO NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DA USP E DIRETOR DO CENTRO STUDI PROBLEMI INTERNAZIONALI DI MILANO

....... South Central é um dos maiores e mais pobres bairros onde vivem os negros de Los Angeles. Praticamente uma geração de seus jovens foi devastada pelo crack. Morte, doenças, loucura e criminalidade é o que vivem no dia-a-dia os seus habitantes. A partir de 18 de agosto de 1996, um jornal local, o San José Mercury News, publicou uma série de artigos, resultado de um alto jornalismo investigativo, onde contava detalhadamente como a droga se apoderou daquele território. É uma historia menos que se insere no interior de uma moldura vasta conhecida com Irangate.
Os que possuem boa memória se recordarão do processo contra o coronel Oliver North, que terminou com sua condenação. Os atos deste processo demonstraram com nomes e fatos que por vários anos a CIA (Central Intelligence Agency ) e a DEA estiveram em contato com os chamados cartéis colombianos, protegendo a entrada de drogas nos Estados Unidos. Tal operação servia para encontrar fundos ilegais para financiar as forças opositoras ao governo sandinista da Nicarágua. Lembremos também que estes fatos foram provados por uma comissão do Senado, presidida pelo já citado senador John Kerry.
É neste clima que Danilo Brandon, pertencente a uma das famílias mais ricas da Nicarágua e expoente do partido anti-sandinista Fuerza Democrática, entra em contato com Ivan Meneses, pequeno criminoso, já fichado pela policia norte-americana. Juntos encontram em Honduras um tal de coronel Bermudez, regularmente pago pela CIA, que lhes propõe traficar a cocaína da Colômbia para o interior dos EUA para conseguir fundos. Entram em contato com o chamado cartel de Cáli e tentam entrar no mercado de Beverly Hills, famoso bairro onde se concentram os ricos de Hollywood. Porem, os canais já estão ocupados por outros bandos de criminosos. Experimentam então com as zonas mais pobres de Los Angeles, mas a cocaína custa muito para os bolsos dos jovens e o preço do mercado não deve ser rebaixado porque entrariam em conflito com outras quadrilhas.
Os valentes “combatentes pela liberdade” encontram-se num impasse, ate que uma inovação tecnológica vem resolver seus problemas. Através dos cristais que restam da fabricação da cocaína, é possível fabricar uma droga muito mais barata e mortal, adequada aos pobres, que será chamada de crack. Eis que os guetos negros de Los Angeles, aonde o desemprego juvenil chega a 45%, pode ser inundado com o novo produto. Por cinco anos, de 1983 a 1987, os contras nicaragüenses, com a cobertura de organismos oficiais, despeja 100 quilos de cristais de coca semanais sobre South Central. Os lucros são lavados em Miami e partem para a América Centra para alimentar a subversão contra o de Manágua.
Ao tomar conhecimento destes fatos, a comunidade negra justamente se rebela e exige a abertura de um processo que lance luz sobre os episódios e condene os culpados. A reação da administração Clinton é hesitante, e faz-se de tudo para sepultar o episodio. O jornal conservador Washington Post, mesmo reconhecendo que a CIA conhecia pelo menos parte das atividades dos traficantes e que não fez nada para bloqueá-los, tenta desmoralizar os artigos publicados pelo San José Mercury News, dizendo que as quantidades de cristais de coca que entraram em Los Angeles por mãos dos contras nicaragüenses não foram 27 000 quilos, mas apenas 5 000 !!!
Mesmo aceitando a cifra menor acenada pelo Washington Post, isto significa algo como 10 milhões de doses. Alem do quê, a partir desta atividade criminosa exercida contra os negros de Los Angeles, o crack espalhou-se pelas metrópoles dos Estados Unidos e de vários paises latino-americanos. Esta é uma historia para recordamos quando vemos nas ruas de São Paulo as nossas crianças agonizando ou cometendo crimes porque viciadas em crack. Agora sabemos quem são os primeiros responsáveis, que elaboraram suas perversidades e decretaram que tantas crianças não deveriam possuir sonhos e nem futuro. ...............

Paginas 120 a 122

– DROGAS : A HEGEMONIA DO CINISMO

ORGANIZADORES – MAURIDES DE MELO RIBEIRO E SERGIO DARIO SEIBEL

ANO 1997 – 353 PAGINAS – ISBN 85-85373-16-4

FUNDAÇÃO MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA
DEPARTAMENTO DE PUBLICAÇÕES
AV AURO SOARES DE MOURA ANDRADE 664
01156-060 SÃO PAULO –SP –
TEL [11] 8239611 FAX [11] 8257545

December 7, 2012 | Unregistered Commenterroberto sims

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.

My response is on my own website »
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
Some HTML allowed: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <code> <em> <i> <strike> <strong>